Leo Ar
Ser Universitario
 

Informática biomédica

Resumo do Curso

Informática Biomédica é a área que cuida do desenvolvimento e da pesquisa com sistemas computacionais voltados às aplicações em biociências. A partir de uma formação híbrida em Ciência da Computação e Ciências Biomédicas, o bacharel em informática biomédica desenvolve softwares que otimizam os trabalhos em hospitais, clínicas médicas, centros de saúde, laboratórios e núcleos de pesquisa.

Pode administrar projetos de informatização de centros médicos, desenvolver e implantar sistemas digitais de transmissão e arquivamento de imagens radiológicas e atuar na área de bioinformática, criando softwares específicos para auxiliar os estudos em biotecnologia.

A Informática Biomédica tem por objetivo a formação de profissionais que atendam a uma demanda do mercado relacionado à informatização da área de biociências, correspondente a um amplo espectro de atividades, que inclui desde a participação ativa em pesquisa médica e biológica, até atividades em empresas farmacêuticas, de biotecnologia, de equipamentos médicos, em hospitais, laboratórios de diagnóstico, bem como em vários setores de gerenciamento e execução de políticas públicas de saúde.

Informática biomédica é um conceito ainda bastante discutido nos dias de hoje. Muitas vezes é considerada uma subárea da medicina que abrange os conceitos da computação. Muitas vezes é considerada como uma subárea da computação que se especializou nas demandas das área da saúde e, há ainda uma corrente que caracteriza este conceito como uma nova área do conhecimento humano, independente das demais e com as suas próprias características.

Seu conceito está relacionado com a aplicação da ciência da computação nas áreas de conhecimento voltadas às ciências da vida como medicina, biomedicina, química e biologia.

Na América Latina, os primeiros profissionais obtiveram sua formação específica na área apenas em 2006, pela Universidade de São Paulo, no campus de Ribeirão Preto. Igualmente, profissionais em outras partes do mundo receberam este título pela primeira vez provavelmente nos primeiros anos do século XXI.

Os profissionais com formação específica para atuação nessa área geralmente recebem formação sólida, relacionada aos conceitos da ciência da computação complementada por disciplinas que os instigam a buscar soluções para diversos problemas relacionados às áreas de sistemas de informação em saúde, epidemiologia, bioinformática e processamentos de imagens médicas.

As ferramentas computacionais utilizadas para solução dos problemas nesta área são diversas e vão desde simples algoritmos de análise sequencial, passando por sistemas utilizados na pesquisa, ensino e extensão, com auxílio de técnicas de inteligência artificial, redes neurais artificiais, reconhecimento de padrões, predição e simulação até visualização 3D de processos biológicos, como enovelamento de proteínas, fases da reprodução celular ou mesmo planejamento cirúrgico e robótica.

Como é uma área nova, em muitos países seu potencial ainda é pouco explorado e com atuação incipiente. Por isso, apesar do grande potencial aplicado, na maior parte das vezes o exercício dessa área ainda ocorre em institutos de ensino e pesquisa.

Profissional / Mercado de Trabalho

Os formandos podem trabalhar não só na área de tecnologia de diagnóstico por imagens, mas em pesquisa médica, biológica, veterinária e agrária, gestão de saúde (como estudo de propagação de doenças e avaliação do impacto de investimentos), arquivamento, recuperação e tratamento eletrônico de informações médicas e de saúde pública, Empresas farmacêuticas e de biotecnologia e de desenvolvimento de novos produtos biomédicos e medicamentos.


Universidades / Faculdades que oferecem este curso de graduação

Não foram encontradas faculdades para este curso