Leo Ar
Ser Universitario
 

Transexuais e travestis têm aulas específicas para fazer o Enem

19/10/2015 - 16:01h

SÃO PAULO - Um grupo de travestis e transexuais se reúne semanalmente em São Paulo para um desafio comum: estudar para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Desde agosto, funciona no centro da capital um curso preparatório gratuito, voltado para esse público. A ideia é oferecer um espaço em que se sintam acolhidos, sem medo do preconceito em classe.

A iniciativa voluntária é do Coletivo Transformação, que dá as aulas no Centro de Referência e Defesa da Diversidade. Esse espaço é cedido pela Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS).‘Não abrem portas para nós’, lamenta a cabeleireira Mel Pinheiro

‘Não abrem portas para nós’, lamenta a cabeleireira Mel Pinheiro

Todas as quintas-feiras, entre 15 e 20 alunos frequentam as classes, com o objetivo de se preparar para o Enem e para outras provas. A maior parte do público é jovem, entre 18 e 22 anos, mas também há alunos de outras faixas etárias – até idosos.

A mulher transexual Amanda Paschoal, de 23 anos, divide sua atenção nos estudos entre o Enem e a Fuvest, Vestibular da Universidade de São Paulo (USP). Para ela, a experiência na classe especializada tem sido positiva. “Eu me sinto mais à vontade, até melhorou meu rendimento”, comenta.

Candidata ao curso de Psicologia, teme a discriminação. “Os ambientes acadêmicos são os mais excludentes contra travestis e transexuais”, diz ela, promotora de vendas. Uma conquista é a possibilidade de usar o nome social na prova. “No ano passado, não consegui (usar o nome social) e fiz o Enem em uma sala cheia de homens, junto de um colega de escola. Foi um constrangimento.”

O número de travestis e transexuais que pediram para usar o nome social no Enem quase triplicou – de 102 solicitações em 2014 para 278 nesta edição. A adoção do nome social começou no exame passado. Em provas anteriores, houve queixas de preconceito contra candidatos travestis ou transexuais.

Mel Pinheiro, mulher transexual de 32 anos, voltou aos livros para se garantir no futuro. No ano passado, ela terminou o ensino médio na educação de jovens e adultos. Agora, seu sonho é usar o Enem para entrar na Faculdade: está em dúvida entre Estilismo e Gastronomia.

“Mas tenho medo de fazer faculdade e depois ficar desempregada. Não abrem portas para nós”, lamenta a cabeleireira. Embora tenha comprado três livros para estudar, a rotina corrida também atrapalha. “Trabalho quase 12 horas por dia. Sobra pouco tempo”, conta.

Acolhimento. A proposta é fazer um resumo dos principais conteúdos, com foco em desenvolver a interpretação de texto, habilidade importante no Enem. Os encontros são estruturados por disciplinas e também de acordo com as demandas dos alunos. Troca de experiências com cursos parecidos, no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, também ajudaram.

Uma das prioridades é criar um ambiente confortável, onde alunos se sintam identificados. Por isso, parte dos Professores é transexual. “É importante pertencer a esse segmento para falar com eles”, explica o homem trans Luiz Fernando Prado, de 31 anos, um dos professores de Português.

Jefferson Lopes, um dos coordenadores, afirma que o ideal é ter classes mistas, em que travestis e transexuais convivam com os outros. Mas a realidade é diferente. “Essas pessoas devem ser inseridas, mas deve existir preparação para que os outros as recebam e respeitem.”

Segundo ele, são comuns piadas machistas e homofóbicas em pré-vestibulares tradicionais, por exemplo. No cursinho do Transformação, há relatos de agressões vividas por alunos em outras experiências escolares.

As classes vão até a primeira semana de dezembro. Para o próximo ano, o coletivo planeja iniciar as aulas em fevereiro e aumentar a carga horária semanal. Para expandir o projeto, ainda se busca mais ajuda financeira.

Dicas. O Estado reúne novidades e dicas de preparação para o Enem na página estadao.com.br/tudo-sobre/enem. Além de rever conteúdos, o candidato pode assistir a vídeos com dicas de todas as disciplinas dadas pelos professores do Cursinho da Poli. 

No fim de semana da prova, nos próximos dias 24 e 25, o portal estadao.com.br também fará cobertura da realização do Enem. À noite, os candidatos poderão acompanhar a correção ao vivo das provas na TV Estadão, também em parceria com os professores do Cursinho da Poli.

Durante toda a cobertura, os internautas poderão enviar relatos e dúvidas sobre o Enem 2015 pelas redes sociais twitter.com/EstadaoEdu e também pela página facebook.com/Estadao.Edu


Fonte: Estadão



Mais notícias
Veja todas as noticias