Leo Ar
Ser Universitario
 

Ciência sem Fronteiras manda primeiros alunos para intercâmbio

13/12/2011 - 20:00h

O aumento do número de estudantes brasileiros de graduação e pós-graduação no exterior e a maior presença de pesquisadores estrangeiros no Brasil, estimulados pelo Programa Ciência sem Fronteiras, deve repercutir na qualidade do ensino na universidade brasileira. Essa é a expectativa do governo que, nesta terça-feira, anunciou a partida dos primeiros alunos de graduação das áreas de tecnologia e engenharia para a temporada de um ano nos Estados Unidos. Até agora, há 616 com vagas confirmadas.

Para o presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Jorge Guimarães, já na volta desses estudantes, haverá "impacto na questão curricular". Segundo ele, é comum, em outros países, uma carga horária de mais estudos e menos tempo em sala de aula. "Lá é pouca aula e muito estudo", relatou. Guimarães calcula que a diferença se dá na proporção de 40 horas de aula no Brasil para 15 ou 16 horas de aula no exterior, por semana. A maior parte do tempo é preenchida com atividades em laboratório ou em biblioteca.

De acordo com o Índice Geral de Cursos (IGC), calculado pelo Ministério Da Educação para mais de 2 mil instituições de ensino superior do Brasil, cerca de 20% das Universidades públicas e 50% das universidades privadas têm desempenho insatisfatório.

O presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Glaucius Oliva, também acredita que o Ciência sem Fronteiras possa alterar esse quadro, pois "tem efeito multiplicador" e "forçará" a rever o ensino. Ele lembra que as bolsas para jovens talentos e as bolsas para pesquisador visitante especial, a serem publicadas em editais conjuntos com as fundações estaduais de apoio e amparo à pesquisa, trarão quadros do interesse das universidades.

Além disso, o programa trará efeito sobre a cultura do ensino. "O acesso à universidade expandiu-se nos últimos anos. Precisamos dar qualidade e expor os estudantes a um ambiente de inovação", disse Oliva, à Agência Brasil, ao defender que "é possível fazer ciência e estar em ambiente produtivo. Eu quero que esses caras saiam para a indústria".

"A questão de ter o edital em fluxo contínuo significa que cada instituição pode se programar e definir as áreas estratégicas que deseja dar andamento nos próximos anos", acrescenta o presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), João Luiz Martins. Para ele, a publicação de editais será "fundamental para consolidar áreas de conhecimento, melhorar redes e trabalhar algumas áreas estratégicas que a gente precisa de apoio externo".

Na opinião da presidenta da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, "o Ciência sem Fronteiras transcende a oferta de bolsa e chama a atenção para a necessidade de internacionalizar as universidades", diz referindo-se à exigência de que os candidatos estudem línguas estrangeiras, em especial o inglês. "Se o País quer ser competitivo, a língua inglesa tem que fazer parte da nossa cultura. O programa abre debate dentro das universidades brasileiras quanto à possibilidade de ter curso em língua inglesa", observou Helena Nader.



Fonte: Terra



Mais notícias
Veja todas as noticias