Leo Ar
Ser Universitario
 

Faculdade no exterior: bom planejamento pode evitar decepções

27/06/2012 - 12:00h

A decisão de cursar a Faculdade no exterior proporciona vários sentimentos na família. Enquanto geralmente os pais ficam com a saudade e os gastos, o estudante pensa em viajar por quatro anos, fazendo amigos, conhecendo novas culturas e conquistando a independência. O problema é que o sonho pode virar pesadelo quando não há o planejamento adequado.

Indo para o quinto período de Design de Produto na faculdade York St. John, na Inglaterra, Thais Conceição é um exemplo do que os estudantes procuram na graduação feita no exterior. Para ela, as vantagens estão na menor duração do curso, de três anos em média; conhecer pessoas com culturas diferentes e aprender a viver longe dos pais. "Eu fiz Intercâmbio em Cambridge em 2009, conheci algumas pessoas fazendo cursos preparatórios para a universidade, fiquei interessada e resolvi fazer faculdade aqui", conta.

LEIA MAIS
» Cuidados para que seu diploma no exterior não seja apenas um enfeite na parede

Tudo pode começar pela análise da qualidade do curso no país de destino. "Suíça e França são referência em gastronomia e a Itália, em design. Já os EUA e a Inglaterra, em diversas áreas", afirma a gerente de intercâmbio da Student Travel Bureau (STB), Marina Motta. Uma forma de fazer a pesquisa é através dos rankings internacionais, como o The Higher Education e o QS World University.

No QS World University, a classificação é: Universidade de Cambridge, Harvard, Massachusetts Institute of Technology (MIT) e Yale, nos Estados Unidos; e Oxford, na Inglaterra. Confira a tabela com o ranking das Universidades em três áreas, de acordo com o The Higher Education.

MELHORES UNIVERSIDADES
Humanas Stanford, Harvard e Universidade de Chicago
Engenharia e Tecnologia Massachusetts Institute of Technology, California Institute of Technology e Universidade da California
Saúde University de Oxford

Outra preocupação é com a língua falada no país de destino. "Alguns estudantes dizem que querem ir para Harvard, mas, quando perguntamos se falam inglês, a resposta é negativa. Dessa forma, mesmo que passassem no processo seletivo, seria difícil até para acompanhar as aulas", avisa Marina Motta.

A fluência deve ser atestada por testes de proficiência. Em instituições norte-americanas e inglesas, por exemplo, são aceitos o Test of English as a Foreign Language (TOEFL) ou os da Universidade de Cambridge em nível acadêmico. Já nos países de fala hispânica, o Diploma de Español como Lengua Extranjera (DELE) é o mais conceituado.

As universidades no exterior não fazem o tradicional Vestibular brasileiro. Os pré-requisitos são o histórico de notas e uma carta de recomendação. "Se você vai estudar engenharia, o ideal é que seja muito bom em matemática. A comprovação é com as notas e a avaliação de um Professor e do diretor da escola", diz a gerente de intercâmbio. Além do desempenho durante o ensino médio, uma atividade que conta a favor para a aprovação do estudante nas universidades internacionais é o trabalho voluntário em organizações não-governamentais, as ONGs.

Assista ao vídeo em que Marina Motta dá dicas para o ingresso em universidades fora do País:

Principalmente nos Estados Unidos, a prática de esportes também é bem vista. Por isso, há programas especiais para a concessão de bolsas de estudos para os atletas, como o da organização International Doorway to Education & Athetics (IDEA). Através dele, estudantes com habilidades em futebol, basquete, tênis e golfe podem conseguir descontos entre 50% e 100% na mensalidade. É preciso fazer a inscrição até o mês de junho e ir a um showcase na Flórida, onde serão avaliados por duas semanas.

Bruno Maia, 18, está nos Estados Unidos este mês para a conquista das bolsas. Jogando futebol, pretende conseguir bolsas para o curso de administração. O desejo inicial do estudante era fazer o ensino médio no país. Entretanto, sem dominar o idioma e acreditando não ter maturidade suficiente, decidiu esperar. Alguns anos depois, se prepara para começar a graduação. "Às vezes, a mãe dele fica muito preocupada, mas ele tem determinação e sabe que é o que quer. Todos os intercâmbios são assim; cada um tem o seu momento e o seu programa", aponta Marina Motta.

Emprego - "Não podemos supervalorizar o ensino fora do País, já que depende da área de estudo", alerta a gerente de intercâmbio. Segundo ela, às vezes a estrutura dos cursos podem ser melhores no Brasil. A orientadora fez duas Faculdades no Recife: relações internacionais e administração. "Investi em intercâmbios de línguas (francês, alemão, inglês, entre outras) e não me arrependo. Não é todo mundo que quer passar quatro anos fora ou que tem disponibilidade financeira para isso."

Além disso, o reconhecimento internacional da universidade às vezes não é o ponto mais analisado pelas empresas. "O que conta mais é o desenvolvimento da capacidade de adaptação durante a graduação. Hoje, o profissional tem que ser flexível", aponta a gerente de recursos humanos da Datamétrica no Recife, Paloma Almeida.

Para ela, uma das principais vantagens é a fluência em outro idioma. "Eles têm uma visão de mundo diferente, que podem agregar no trabalho, e geralmente já têm as competências comportamentais buscadas, como capacidade de mudar", explica.
"Mas não acho que quem não faz a faculdade no exterior está fadado a uma carreira medíocre. É bom entender como um diferencial, não como funcional", completa. Segundo Paloma Almeida, a experiência profissional, obtida principalmente em estágios, tem sido muito importante na seleção das grandes empresas. Por isso, apenas cursar uma faculdade no exterior não é garantia de Empregos na volta ao Brasil.

Quando concluir o curso de design na Inglaterra, Thais Conceição pretende voltar para o Brasil. "Vou tentar trabalhar pelo menos um ano aqui, para ter experiência, depois eu volto. Aqui é bom, mas o Brasil é melhor", diz.



Na foto, Thais Conceição em um dos laboratórios na faculdade. Ela estuda design York St. John, na Inglaterra (Foto: Reprodução/Facebook)

DIPLOMA - De acordo com o artigo 48 da Lei 9.394/96, todas as universidade públicas autorizadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) podem revalidar diplomas. O Ministério Da Educação (MEC) não possui o número exato de pedidos feitos por ano no País, já que o processo é descentralizado . Na Universidade Federal de Pernambuco, foram 79 solicitações este ano. O número dos anos anteriores não estão disponíveis devido à greve dos técnicos administrativos da instituição.

O crescimento da procura pelos cursos no exterior é recente. Segundo Marina Motta, a procura ainda é pequena, já que demanda um investimento muito alto e a disponibilidade pessoal de passar tantos anos longe da família. "A decisão deve ser muito analisada. O estudante tem que saber que existem várias opções de intercâmbio mais curtos e baratos que a faculdade e deve conhecê-las", afirma.



Fonte: Uol



Mais notícias
Veja todas as noticias