Warning: getimagesize(http://oglobo.globo.com/in/10998344-ba1-400/FT500A/info_mapa.jpg): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/wwwseru/public_html/includes/classes/ImageMigrant.class.php on line 171

Warning: file_get_contents(http://oglobo.globo.com/in/10998344-ba1-400/FT500A/info_mapa.jpg): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/wwwseru/public_html/includes/classes/ImageMigrant.class.php on line 84
Ser Universitario
 

Warning: getimagesize(http://oglobo.globo.com/in/10998344-ba1-400/FT500A/info_mapa.jpg): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/wwwseru/public_html/includes/classes/ImageMigrant.class.php on line 171

Warning: file_get_contents(http://oglobo.globo.com/in/10998344-ba1-400/FT500A/info_mapa.jpg): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 404 Not Found in /home/wwwseru/public_html/includes/classes/ImageMigrant.class.php on line 84

Diabéticos cada vez mais jovens

11/12/2013 - 14:40h

Cresce a prevalência de doentes no Brasil, e índice já se compara ao dos Estados Unidos, que vive epidemia de obesidade

  Prevalência de diabetes em adultos, em 2013. Brasil está no grupo moderado alto, de 9% a 12%  Foto: Federação Internacional de Diabetes

Prevalência de diabetes em adultos, em 2013. Brasil está no grupo moderado alto, de 9% a 12%FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE DIABETES

RIO - O número de pessoas diabéticas não para de crescer no Brasil, e os índices já se igualam aos dos Estados Unidos, onda há uma das piores epidemias de obesidade do mundo. Os dois países já têm 9,2% da população com diabetes - em 2010 o Brasil tinha 6,4%. Os dados de novembro estão no relatório da Federação Internacional de Diabetes (IDF, na sigla em inglês), ligada à Organização Mundial de Saúde (OMS).

O Brasil não tem dados específicos, mas especialistas garantem que o diabetes está atingindo cada vez mais adolescentes. Eles se baseiam na prática diária e em alguns estudos sobre a população dos Estados Unidos, como do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), órgão do governo federal que mostrou que 23% das crianças em 2008 tinham pré-diabetes e diabetes tipo 2, contra 9% no ano 2000.

- Com o aumento da obesidade, aumenta o diabetes tipo 2. E como a nossa população vem assumindo cada vez mais padrões similares aos da cultura americana, incorporamos também os males - comenta Marcus Leitão, doutor em Endocrinologia pela UFRJ e médico do Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia (Iede). -As projeções são as mais sombrias possíveis. Talvez até antecipemos as estimativas de 2030 para 2020.

A federação distribui os países em quatro grupos, de baixo a alto risco. Entre 2010 e 2013, o Brasil saiu do médio baixo para o médio alto. Em números absolutos, o país está quase no topo do ranking: 11,9 milhões de indivíduos sofrem hoje com o diabetes, atrás de China (98 milhões), Índia (65 milhões) e Estados Unidos (24 milhões). Está em primeiro lugar na América Latina, inclusive no número de mortes em decorrência da doença: foram 122 mil só este ano. A expectativa é que em 2035 existam 19,2 milhões de diabéticos no país.

Envelhecimento da população, assim como obesidade, sedentarismo e consumo de gordura só avançam no país, segundo informações do IBGE e do Ministério da Saúde (pelo Vigitel). Tanto que o governo determinou a redução gradual do sódio de produtos industrializados, medida que só será percebida nas próximas décadas. Em investimentos, segundo a IDF, o país gastou US$ 1.477 por diabético em 2013. Enquanto isto, nos Estados Unidos, apesar dos índices alarmantes, a situação é oposta: passou de 10% em 2010 para 9,2% este ano. E o investimento foi de US$ 9,8 mil em 2013.

- Se não houver mudanças radicais, o Brasil ultrapassará os Estados Unidos. Lá, até a mulher do presidente Barack Obama, Michelle, há alguns anos já vem se empenhando em medidas para a mudança da alimentação, eles estão começando a mudar - lembra a Vivian Ellinger, diretora da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (RJ) e professora de pós-graduação de Endocrinologia da PUC-Rio.

Um levantamento com 600 pessoas realizado pela sociedade no Rio, no ano passado, mostrou que cariocas também precisam se cuidar mais: 45% dos examinados têm risco elevado de ter diabetes. Riscos moderado e discretamente elevado somaram 40%. E baixo risco, apenas 18% do total.

- Estas pessoas não tinham sido diagnosticadas, mas apresentavam fatores de risco fortes (nível de gordura, circunferência do abdômen, hereditariedade, entre outros) para desenvolver a doença - explica Vivian. - Uma preocupação de médicos é exatamente o fato de ela ser silenciosa. Sinais mais conhecidos, como urinar muito, só ocorrem quando a glicose está acima de 180 mg/dl, enquanto que em 126mg/dl já é considerado diabetes.

Por não apresentar sintomas, estima-se que no Brasil 2,8 milhões de pessoas têm a doença sem saber, segundo informações da IDF. E a única forma de ter certeza é por meio de exames.

Também ligado à obesidade, o diabetes gestacional é outro tipo ainda negligenciado por muitos.

- Este índice certamente também vem aumentando. Então, aconselhamos que mulheres interessadas em engravidar façam antes um rastreamento. Além de afetá-la, a doença afeta também a saúde do bebê - afirma Vivian.

Aumento também do diabetes tipo 1

É bom lembrar que pelo menos 80% dos casos de diabetes são do tipo 2, o que está intimamente relacionado com a obesidade e o estilo de vida. O tipo 1 é uma doença autoimune e exige que o indivíduo receba doses diárias do hormônio insulina. Hoje há uma incidência de 10,4 por 100 mil habitantes de 0 a 14 anos no Brasil. Geralmente acomete os mais jovens, mas até estes padrões vêm se modificando.

- Tem uma questão de melhora da diagnóstico. Há 20 anos, acreditávamos que 20% dos diabéticos tipo 2 eram magros, mas estava errado. Hoje sabemos que trata-se do tipo Lada (diabetes autoimune latente do adulto), uma forma tardia da diabetes tipo 1. Quanto mais tarde este tipo autoimune aparece, menos agressiva a destruição do pâncreas. Por isso era difícil enquadrá-lo no tipo 1, uma forma mais grave da doença - explica Leitão.

Este tipo também tem aumentado, mas os motivos ainda são desconhecidos, assim como as causas da doença:

- Hoje vemos que o tipo 1 também tem aparecido com mais frequência, mas aí temos apenas suposições para isto, nada está comprovado. Há estudos relacionando questões alimentares, como transgênicos, adoçantes, além de uso de micro-ondas e até celular.
FLÁVIA MILHORANCE

Siga o Ser Universitário!

Integre-se            ao nosso perfil no facebookFacebook 
Nos            siga no TwitterTwitter
Participe de nossa comunidade/perfil no LinkedinLinkedin

Siga o Emprego-YouCan no Facebook

 


Fonte: oglobo.globo.com


Compartilhe e exponha sua opinião...

Mais notícias
Veja todas as noticias