IFOOD DELIVERY
Ser Universitario
 
STONE

Alunos limpam salas, recolhem lixo e desocupam escola 'gigante' de SP

08/12/2015 - 13:01h

tudantes desocupam a escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto, em Perus, na zona oeste de São Paulo. (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)
tudantes desocupam a escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto, em Perus, na zona oeste de São Paulo. (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)

Estudantes da Escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto, em Perus, Zona Oeste de São Paulo, desocuparam o colégio no final da manhã desta terça-feira (8) após 19 dias de ocupação. Os alunos receberam representantes da Diretoria de Ensino que vistoriaram o prédio antes da desocupação. Escola mais ´"populosa" da rede pública do ensino na Grande São Paulo, com cerca de 3,3 mil alunos, a Gavião Peixoto reabre as portas para retomar as aulas nesta quarta-feira (9).

A escola não seria afetada pela reorganização escolar que o Governo do Estado de São Paulo iria promover na rede pública, mesmo assim os alunos decidiram ocupar a Gavião Peixoto no dia 19 de novembro em solidariedade aos protestos ocorridos em outras unidades. No último domingo (6), a escola recebeu artistas como Paulo Miklos e Chico César durante a Virada Ocupação. Na sexta-feira (5), o governador Geraldo Alckmin suspendeu a reorganização escolar.

A saída dos estudantes foi tranquila. Eles recolheram colchões, cobertores, vassouras, produtos de limpeza, alimentos. Varreram as salas de aula, ensacaram o lixo e levaram tudo para fora.

Aluna varre sala de aula usada durante a ocupação na Escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)
Aluna varre sala de aula usada durante a ocupação na Escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)
 
ESCOLAS OCUPADAS
Alunos são contra reorganização em SP

Pais e alunos aprovaram o movimento dos estudantes mas afirmaram da necessidade de terminar o ano letivo. "Acho que tudo é válido, eles lutaram por melhoria, mas isso atrapalhou as aulas. Essa escola é grande e poderia ser uma boa escola, mas não é. Meu filho estuda aqui à noite e meu filho de 10 anos vem pra cá no ano que vem", disse Roseli Soares, mãe de um aluno.

"Eu conheço algumas pessoas que participaram da ocupação, concordo com a luta por mudanças, mas poderia ser de outra forma porque prejudicou o andamento das aulas, com isso eu não concordo. É também porque parte do grupo já queria baderna, Eu passava aqui à noite e tinha pancadão", afirmou Claudia Miranda, professora e mãe de aluno.

"Acho que valeu a pena a ocupação porque precisa melhorar a escola. Eu não fiz parte do protesto, mas acho que mesmo ninguém gostando de estudar a escola precisa ser boa", disse um estudante.

Quatro dias após o governo de São Paulo decidir suspender do plano de reorganização das escolas estaduais, 145 colégios continuam ocupados pelos estudantes nesta terça-feira (8), segundo balanço da Secretaria de Educação. Desde segunda-feira (7), 43 escolas foram liberadas. Já o Sindicato dos Professores (Apeoesp) contabiliza 137 unidades ocupadas em todo o estado até o momento, informou o SPTV.

Como não existe uma liderança única, a decisão de sair é dos alunos de cada escola. Dos 43 colégios desocupados, 19 ficam em Sorocaba (SP), no interior. Apenas duas unidades seguem ocupadas por estudantes na cidade. Na noite de segunda, os alunos saíram da Diretoria Regional de Ensino e da E. E. Antônio Padilha, no Centro. Mas os funcionários encontraram o prédio com portas e grades arrombadas, e câmeras de segurança quebradas.

A Diretoria de Ensino disse que o estoque da cantina e o material de educação física também sumiram. A Polícia Civil vai investigar o que aconteceu em Sorocaba.

Direção mostra aviso de retomada das aulas na Escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto (Foto: Karina Godoy/G1)
Direção mostra aviso de retomada das aulas na Escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto (Foto: Karina Godoy/G1)

Suspensão
O governador Geraldo Alckmin suspendeu na sexta-feira (4) a reestruturação afetaria mais de 300 mil alunos. Na mesma data também foi divulgado pelo instituto Datafolha que o governador teve seu índice de popularidade mais baixo, com apenas 28% de aprovação.

No sábado (5), um decretou oficializou o adiamento das mudanças. Durante os protestos, a Polícia Militar (PM) foi criticada por agir com truculência com os estudantes que interditaram vias públicas da capital paulista.

Alckmin disse que irá dialogar com pais e alunos no ano que vem a respeito da reorganização da rede de ensino estadual e que os estudantes permanecerão em suas unidades em 2016.

Após o governador suspender a reforma da rede de ensino, o secretário da Educação do Estado de São Paulo, Herman Voorwald, pediu para deixar o cargo. A carta com o pedido de demissão foi entregue ao governador, que aceitou a decisão de Voorwald. Alckmin deve anunciar o nome do novo secretário no início desta semana.

O governo paulista defende que a reorganização vai melhorar o ensino. Os alunos, porém, contestam e reclamam que não foram ouvidos pelo governo sobre as mudanças e sobre o fechamento das unidades onde estudam. Em protesto, eles passaram a ocupar, desde 9 de novembro, escolas em todo o estado.


Fonte: G1

STONE EMPREENDEDOR

Compartilhe e exponha sua opinião...

Mais notícias
Veja todas as noticias