IFOOD DELIVERY
Ser Universitario
 
STONE

Demissão voluntária na USP tem adesão de 51 funcionários na região

19/03/2015 - 14:01h

Alunos colaram cartazes na entrada do auditório onde foi realizada a posse (Foto: Luã Viegas/Arquivo pessoal)
No último dia 16, alunos de São Carlos protestaram
contra o PIDV (Foto: Luã Viegas/Arquivo pessoal)

O Programa de Incentivo à Demissão Voluntária da Universidade de São Paulo (USP) atraiu 42 funcionários no campus de São Carlosx e nove na unidade de Pirassununga, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), que prevê prejuízos com os desligamentos. Questionada, a universidade informou que não vai divulgar os números por campus, apenas o valor total, 1.452 servidores.

Em Pirassununga, quatro servidores se desligaram da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) e os outros cinco se desvincularam da Prefeitura. Em São Carlos, 11 pessoas relacionadas à Prefeitura optaram pelo plano, o que também ocorreu na EESC (10), no IFSC (10), no ICMC (4), no CDCC (3), no IAU (2), no IQSC (1) e na Superintendência (1).

"Dos 42, a maior parte pertencia à área administrativa, mas seis eram do restaurante e isso vai afetar o trabalho. Já havia déficit no restaurante com 54 pessoas porque não estavam sendo realizadas contratações e agora vai ficar mais sobrecarregado. É um trabalho pesado, são mais de 3 mil refeições", afirmou o diretor da subsede de São Carlos do Sintusp, Daniel Cândido dos Santos.

Se houver uma 'Lava USP' vai
ser pior do que a Lava Jato"

Neli Wada, diretora do Sintusp

Apesar da perda de 11% dos funcionários do bandejão, vinculados à Prefeitura, Cândido informou que não há conversas sobre a interrupção do jantar - receio exposto por alunos durante a manifestação de 16 de março, durante a visita do reitor -, mas não descartou mudanças no cardápio. Sobre o assunto, a universidade informou, no dia do ato, que "não haverá prejuízo imediato no atendimento nos restaurantes".

Diretora do sindicato em São Paulo, Neli Wada também apontou possíveis prejuízos com as demissões. "Temos diversas áreas que há muito precisam de mais funcionários e não de cortes. As condições de trabalho tendem a se agravar. É pouca gente para muito serviço, o assédio moral se intensifica", avaliou.

"Um restaurante em São Paulo e 147 vagas em creches dos vários campi foram fechados. O plano está afetando os serviços prestados, o ensino, e vai afetar a pesquisa porque muitos técnicos de laboratório saíram. É um baque porque eles não serão repostos e mesmo se fossem não se forma um técnico da noite para o dia", disse Wada.

Campus da USP em São Carlos (Foto: Marcos Santos/USP Imagens )
Na USP de São Carlos, 42 funcionários aderiram ao
plano, segundo sindicato (Foto: Marcos Santos/USP)

De acordo com a diretora, a visão do sindicato é de que a solução não está no PIDV, e sim em mais verbas para a educação e no combate à corrupção. Não sabemos se é verdade que a USP passa por problemas financeiros porque as contas não foram abertas. Se houver uma 'Operação Lava USP' vai ser pior do que a Lava Jato.

Programa de Demissão
Diante do posicionamento do sindicato, a assessoria de imprensa da USP informou o Sintusp deveria apresentar provas e que os dados financeiros estão disponíveis no site Transparência USP.  "A evolução financeira da universidade é apresentada em todas as reuniões do conselho universitário, das quais membros do sindicato participam", pontuou a instituição.

A USP também afirmou que desde o início da nova gestão têm sido veiculadas informações de que os gastos com folha de pagamento ultrapassam os 100%, consumindo as reservas financeiras, e que o PIDV foi voluntário, ou seja, estava aberto para quem quisesse participar.

Segundo a universidade, o desligamento dos 1.452 servidores significará uma redução da ordem de 4,4% dos gastos com a folha cerca de R$ 16 milhões mensais   e uma diminuição de aproximadamente 8,5% do quadro de servidores técnicos e administrativos.

A média de idade dos servidores desligados é de 57 anos, sendo 26 deles dedicados à USP e o primeiro grupo (700) foi desligado no dia 26 de fevereiro. O segundo  (355) sairá em 20 de março e o terceiro (371), em 22 de abril.

Campus da USP de Pirassununga (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)
Campus da USP de Pirassununga (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)



Fonte: G1

STONE EMPREENDEDOR

Compartilhe e exponha sua opinião...

Mais notícias
Veja todas as noticias