IFOOD DELIVERY
Ser Universitario
 
STONE

Professores de geografia e história explicam as migrações no Brasil

25/09/2014 - 18:01h

 Das 228 embarcações que atracaram na capital pernambucana, de janeiro a julho deste ano, 28 transportavam passageiros de várias nacionalidades. São pessoas que vêm à cidade para fazer turismo e, também, para fincar raízes no Recife. Quem deixa um país para se estabelecer em outro torna-se um migrante -- e são as migrações o tema da na reportagem exibida nesta quinta (25) pelo Projeto Educação, tendo os Professores Kiko Santos (geografia) e Lula Couto (história do Brasil) como convidados.

Kiko Santos explica as diferenças entre os termos "emigrante" e "imigrante". "Quando você sai de um país, você é emigrante, tornando-se um imigrante quando chega a outro país. Por exemplo: os italianos, que vieram em grande quantidade para o Brasil no final do século 18 são imigrantes em relação ao Brasil e emigrantes em relação à Itália", esclarece.

São vários os motivos que levam uma pessoa a deixar um lugar e ir morar em outro. De acordo com o professor, o principal deles está relacionado à economia e à necessidade de o emigrante crescer e se estabilizar. "Historicamente, no Brasil, a gente tem o Nordeste como primeira área de atração em função do sistema de plantation da capitania de Pernambuco, que podemos dizer que foi o primeiro local de atração populacional do Brasil", ressalta.

Após alguns anos, a região Sudeste teve destaque como polo de atração de emigrantes. "A partir do século 19, com o processo de mineração e, depois, com a cafeicultura e a industrialização, o Sudeste torna-se a região de maior atração populacional. Durante décadas, esta região, especificamente o estado de São Paulo, exerce o poder polarizante de atração na migração interna do Brasil", detalha o Docente.

Ainda de acordo com Kiko Santos, o Sudeste continua atraindo pessoas, mas, atualmente, outras regiões também vêm se destacando. "Recentemente, a gente pode destacar outras áreas que têm gerado desenvolvimento e atraído trabalhadores, como o Centro-Oeste, que se tornou uma das regiões de maior atração populacional em função do grande desenvolvimento do setor agropecuário, e Pernambuco, com Suape", diz.

O meio de transporte utilizado é importante no processo de imigração. Para atravessar longas distâncias entre os continentes, é comum o deslocamento por meio de navios. "Quem migra, normalmente, tem uma condição financeira menor e não é capaz de se deslocar de avião", explica o Professor.

Assim como no Brasil, as circunstâncias migratórias internacionais têm mudado com o passar dos anos. Segundo dados divulgados recentemente pela Organização das Nações Unidas (ONU), a quantidade de refugiados no mundo, atualmente, superou o número de refugiados de guerra, de perseguições políticas ou religiosas da Segunda Guerra Mundial. "Hoje se observam migrações para países de economias emergentes, onde existe perspectiva de emprego, segurança e permanência de muitas pessoas", conta Kiko Santos. Os destaques são países como a Arábia Saudita, que vem desenvolvendo o setor petroquímico, e o Brasil, que vem atraindo muitos bolivianos, equatorianos, haitianos e jamaicanos que buscam oportunidades no País.

Muitas pessoas desembarcam em outros países porque estão fugindo de algo, como de guerras. Esse é o caso dos refugiados, que, de acordo com o professor de História do Brasil Lula Couto, têm uma relação muito próxima com os imigrantes. "O refugiado faz parte desse processo migratório, desse processo de deixar o seu local de origem e ir em busca de um local onde há, efetivamente, uma condição melhor de vida. É como se eles fizessem parte dessa onda migratória", pontua.

De acordo com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), 1.810 voos internacionais chegaram ao Aeroporto Internacional do Recife neste ano. Antes de pegar as malas e deixar o terminal, os estrangeiros passam por uma Entrevista com policiais federais, que atuam como polícia de imigração.

O chefe de comunicação da Polícia Federal, Giovani Santoro, explica como funciona a entrada de turistas no País. "Quando vem para o turismo, o prazo concedido é de 90 dias. Ele tem que, por exemplo, já estar com hotel agendado aqui para que possa ficar nesse período, ter uma quantia de dinheiro, no cartão de crédito ou em espécie, para que possa caracterizar que ele veio realmente para fins de turismo", afirma.



Fonte: G1

STONE EMPREENDEDOR

Compartilhe e exponha sua opinião...

Mais notícias
Veja todas as noticias