IFOOD DELIVERY
Ser Universitario
 
STONE

Tecnologia sozinha não resolve educação

02/09/2014 - 15:01h

Na semana passada recebi mais um e-mail circular do instituto onde trabalho incitando os Professores a aprender a usar novas tecnologias em sala de aula. Parece que nós não estaríamos sabendo entreter os alunos "modernos" em sala de aula. O "velho" modelo de aula estaria falido. Precisamos recorrer a novas tecnologias para manter os novos alunos interessados, é a mensagem.

Discordo veementemente. Não porque ache que tecnologias modernas sejam ruins ou nocivas. Muito pelo contrário: basta começar pela definição de tecnologia. O termo descreve ferramentas, máquinas e procedimentos que ajudam na resolução de problemas. Hoje pensamos em smartphones, tablets e computadores, mas um dia a tecnologia foram rádios e telefones, e bem antes disso, as hoje simples facas.

Por definição, a tecnologia nos oferece novas possibilidades, inclusive de aprendizado. Muitas são altamente eficazes: basta ver a facilidade com que crianças (e adultos) aprendem sozinhos a explorar novos ambientes virtuais, descobrem regras, padrões, associações de causa e efeito, desenvolvem planejamento e estratégia, assimilam novos conteúdos "tudo isso, quem diria, jogando videogames.

Minha bronca não é com a tecnologia, mas com extremismos para ambos os lados. Assim como a tecnologia não é o demônio que vai acabar com a educação (o e-mail não acabou com a escrita, assim como o rádio não acabou com a leitura), ela também não é a panaceia universal.

Um estudo publicado em 2002 mostrou que introduzir computadores em sala pode piorar o aprendizado dos alunos quando professores e conteúdo já são bons. Desde então, programas projetados especificamente para melhorar o aprendizado de línguas ou matemática na escola em geral deixam a desejar, segundo uma revisão publicada por Daphne Bavelier em 2010.

Da mesma forma, DVDs feitos para "educar" crianças, com nomes sugestivos como Baby Einstein ou Brainy Baby, não só não aumentam o vocabulário das crianças como ainda prejudicam o desenvolvimento da linguagem.

Ao menos neste quesito, nada é tão eficaz quanto falar com o pai e a mãe que, mais do que apenas repetir palavras, ensinam a pensar, a juntar ideias, a construir conceitos.

Como bons professores, aliás. Claro, há aulas que ganham com vídeos e animações. Mas muitas vezes não é preciso tecnologia mais avançada do que quadro e giz para ensinar alunos a pensar. O que é preciso são professores melhores.

suzana herculano-houzel

Suzana Herculano-Houzel, carioca, é neurocientista treinada nos Estados Unidos, França e Alemanha, e professora da UFRJ. Escreve às terças, a cada 15 dias.



Fonte: Uol

STONE EMPREENDEDOR

Compartilhe e exponha sua opinião...

Mais notícias
Veja todas as noticias